< Blog dos Séniores do Futsal do Boavista FC: Janeiro 2008

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

RENOVAÇÕES PARA A PRÓXIMA ÉPOCA

Continuando a preparar a próxima época a Direcção do Departamento de Futsal renovou contrato com os seguintes atletas, com a duração de uma época.

Assim ficou demonstrada a confiança que (atletas e dirigentes) depositam no futuro do Futsal no Clube, e no próprio futuro do Boavista Futebol Clube.


Alexandre Peixoto (Alex)


Filipe Libório


Fábio Lima


José Barbosa (Marau)


Rogério Geitoeira


Hugo Martins (Ramada)


Norberto Sousa (Guri)


João Teixeira

Ricardo Ferreira


João Salgado


Miguel Ribeiro


João Moutinho


Carlos Daniel (Kukes)


Edivaldo Costa

domingo, 27 de janeiro de 2008

RUI PEREIRA RENOVA CONTRATO COM O BOAVISTA


O treinador principal da equipa Sénior renovou o vinculo contratual com o Boavista para a próxima época desportiva, num claro sinal de confiança no futuro do Futsal axadrezado e no futuro do Boavista FC.

Rui Pereira continuará assim, a comandar as panteras na próxima época e foi a primeira das renovações do plantel sénior boavisteiro.

Neste aspecto, durante esta semana acontecerão noticias sobre os elementos do plantel, pois o futuro (base) do Futsal boavisteiro, vai ser decidido nos próximos dias.

RESULTADOS DA JORNADA E CLASSIFICAÇÃO

Foram os seguintes os resultados da 15ª jornada e respectiva classificação:

RESULTADOS:
BENFICA 3 - FUNDAÇÃO 3
SASSOEIROS O- BELENENSES 6
FREIXIEIRO 4 - VILA VERDE 4
ALPENDORADA 3 - BOAVISTA 3
UTAD 3 - FUNDÃO 2
I.D. JOÃO V 8 - NOGUEIRENSE 3
OLIVAIS - SPORTING (Segunda-feira 21,15)

CLASSIFICAÇÃO:

1º BELENENSES 15 Jogos - 42 Pontos
2º BENFICA 15 - 36
3º FREIXIEIRO 15 - 31
4º F.J. ANTUNES 15 - 30
5º SPORTING 14 - 30
6º OLIVAIS 14 - 25
7º D. JOÃO V 14 - 17
8º FUNDÃO 15 - 17
9º ALPENDORADA 15 - 17
10º SASSOEIROS 15 - 15
11º BOAVISTA 14 - 13
12º VILA VERDE 15 - 10
13º UTAD 15 - 7
14º NOGUEIRENSE 15 - 1


FC ALPENDORADA 3 - BOAVISTA FC 3




















O QUE ANTES PARECIA MUITO, ACABOU POR "SABER A POUCO "!

FC ALPENDORADA 3 - BOAVISTA FC 3
Intervalo 2-1
Jogo no Pavilhão de Alpendurada
Árbitros : Vítor Rocha e Filipa Santos da A. F. Porto

Constituição das equipas:

FC ALPENDORADA
BUFFON, VITOR AMORIM, GUGA, MILSON e MOTA
Jogaram ainda:
NANDINHO, CAMARÃO, EMERSON, IVO e LIPA

BOAVISTA FC
ALEX, FÁBIO, LIBÓRIO, ROGÉRIO e KUKES
Jogaram ainda:
GURI, TEIXEIRA, EDIVALDO, FERREIRA e RAMADA


DISCIPLINA:
Boavista:
Amarelos: LIBÓRIO (3), ROGÉRIO (4), e FERREIRA (19)
Alpendorada:
Amarelos: GUGA (3), MILSON (33) e CAMARÃO (36)

MARCADORES:
MILSON (12) (Gp), TEIXEIRA (11) (Pb), EDIVALDO (12), ROGÉRIO (23) (Gp), MOTA (24) e RAMADA (36)

Comentário:

Demonstrando uma evolução da sua forma o Boavista foi a Alpendorada alcançar um resultado que – antes do início poderia considerar como positivo – mas que no final lhe soube “um pouco” a pouco! Já que nos segundo tempo a equipa mostrou o seu (ainda não todo) valor, na entrega, na sua teimosia de afastar fantasmas que o têm perseguido, esta época, não fora a ânsia (falta de pontos) em que se vê envolvido e o Boavista teria vencido o seu rival.

Na primeira parte do jogo, o Boavista teve uma atitude de expectativa (nos primeiros dez minutos) permitindo um que o Alpendorada jogasse mais avançado, tentado os axadrezados aproveitar os (possíveis e pouco existentes) contra ataques.

Mas como tem acontecido, por uma outra razão, o golo dos marcuenses apareceu cedo, na transformação de uma grande penalidade, para mais tolher os seus movimentos, o Boavista via em quatro minutos dois dos seus jogadores amarelados. Quando Rui Pereira alterou o seu esquema de jogo, com substituições o azar (mais uma vez) bateu-lhe à sua porta, pois João Teixeira, num toque infeliz introduziu a bola na sua baliza, dando vantagem de dois golos ao adversário.

O técnico axadrezado, solicitou o seu time-out e tentou sossegar os espíritos dos seus jogadores, mostrando-lhe que havia muito tempo para jogar. No minuto seguinte, Edivaldo numa jogada de insistência, e quase sem ângulo conseguia diminuir a diferença relançando o jogo.

Até ao intervalo o jogo continuou dividido e enquanto Nandinho e Guga tentavam empurrar a sua equipa, era notório o crescimento do Boavista no seu global.

BOA TARDE, CHEGOU O BOAVISTA!

O segundo tempo foi a prova desse constante crescimento do Boavista, que progressiva e paulatinamente foi tomando conta do jogo alcançando o empate com três minutos de jogo para o perder de novo no minuto seguinte (naquele que consideramos o minuto do jogo).

A equipa não se perturbou, porque se sentia superior e tomou as rédeas totais do jogo, lutando com fé contra os seus (últimos, azares). Demorou muito (para o que então jogava) a alcançar o empate, mas depois de o alcançar, lançou-se sem qualquer complexo à procura da vitória, que viu Buffon negar-lha no último minuto e posteriormente, noutra jogada o poste a impedir, em duas jogadas de João Teixeira.

No computo geral, o empate aceita-se como certo, pela divisão do jogo em duas partes, com dois intervenientes diferentes e não fora o estado de espírito (forçosamente) ansioso do Boavista e a vitória seria axadrezada, assim, este ponto (importante) serve mais de moral que materialmente.

A arbitragem perdeu-se em alguns pormenores, na grande penalidade contra o Boavista foi exibido um amarelo a Rogério (muito bem) em igual lance contra o Alpendurada não foi mostrado nenhum cartão (muito mal)! Porquê?

Por ser a Guga, que já tinha um amarelo e seria expulso?

Num lance sobre a linha lateral, Ferreira seria amarelado por puxar um adversário, em jogada igual contra o Alpendorada, o amarelo ficou no bolso. Ramada, impedido de fazer um lançamento lateral por um adversário que não guardou distância, e depois da sua marcação (cortada pelo adversário) pegou na bola para repetir o lance... e em vez de amarelo ao jogador do Alpendorada, houve marcação de falta contra o Boavista!

No restante estiveram bem, sem influência no marcador, mas estes pormenores foram flagrantes numa dupla que pode, sabe fazer melhor, porque é das melhores do país.

Jogo e público entusiástico e correctíssimo.
Comentário de:
Hugo Monteiro

A FIGURA DO JOGO


BUFFON
Que nos desculpe, Alex - que jogando em sofrimento mostrou toda a sua dedicação ao Clube e sendo o primeiro de todos Boavisteiros a dar exemplo, “que antes quebrar que torcer” – mas hoje elegemos o BUFFON para esta menção!

Para além das defesas que fez uma delas a dois minutos do final (evitando a vitória do Boavista), mostrou sempre a sua personalidade, o seu desportivismo (lutando contra adversários, mas apenas adversários, tentando levar a sua equipa ao triunfo) foi valente, foi honesto…

Foi o Buffon que nós conhecemos!

Jogou com o Boavista (e amigos) nunca contra o Boavista!
Nunca contra ex-amigos!

Um grande Senhor (já o sabíamos) este Filipe Miranda (para nós) apenas;
Buffon!

O MINUTO DO JOGO


Minuto 24.
O Boavista alcançara o empate e da forma como jogava, tinha “todo o tempo do mundo” para alcançar a vitória, mas na jogada seguinte, Mota surpreendeu os Boavisteiros com um remate em diagonal dando nova vantagem ao Alpendorada, isto quando o domínio era total dos Axadrezados.

O Boavista via-se de novo em desvantagem e o tempo passava de novo para procurar o empate e não a vantagem!

Demorou 12 minutos para o conseguir…

E isso foi fundamental para o desfecho final!

sábado, 26 de janeiro de 2008

BOAVISTA EMPATOU EM ALPENDURADA

Em jogo a contar para a 15ª jornada o Boavista empatou a três golos com o FC Alpendurada.
Amanhã será postado o comentário ao jogo.
Os golos axadrezados foram marcados por:
Edivaldo, Rogério e Ramada.

sábado, 19 de janeiro de 2008

UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA


Para se realizar um encontro de Primeira Divisão Nacional de Futsal é necessário que os trabalhos para a sua organização começam com algumas horas de antecedência, principalmente quando o recinto não é propriedade (ou exclusivo) do Clube, que joga como visitado.
Isto passa-se no Pavilhão do GD do Viso, no qual se realizam outros jogos e no qual se têm colocar as telas de publicidade e preparar o restante para recepção às equipas de arbitragem e adversários (locais de estacionamento, balneários, terreno de jogo etc...) quando ali joga o Boavista.

Esta organização tem sido sempre realizada com a inexcedível colaboração de um grande "amigo" que tem superado tudo o que dele esperávamos!

O seu nome é Bernardino, que trabalha (às vezes exclusivamente) e com a ajuda do seu filho Ricardo, tem facilitado o nosso trabalho.

Cumpre-nos apresentar publicamente o nosso agradecimento.

Por uma questão de justiça:

AGRADECEMOS AO BERNARDINO!
SEUS COLABORADORES E SEU FILHO, RICARDO!

A vossa colaboração (e ajuda) faz com que o BOAVISTA se sinta cada vez mais em "sua casa" quando estamos no Viso.

BOAVISTA FC 3 - SL OLIVAIS 2




O REGRESSO ÀS VITÓRIAS

BOAVISTA FC 3 – S.L. OLIVAIS 2
Intervalo 1-1
Jogo no Pavilhão do GD do Viso
Árbitros : José Ramos e António Teixeira da A. F. Viana

Constituição das equipas:

BOAVISTA FC
ALEX, FÁBIO, LIBÓRIO, ROGÉRIO e KUKES
Jogaram ainda:
MOUTINHO, GURI, TEIXEIRA, EDIVALDO, FERREIRA e RAMADA

S. L. OLIVAIS
VERO, PEDRO, PIRES, ESTRELA e JONNY
Jogaram ainda:
CATURRA, GONÇALO, PINHEIRO, MIGUEL FERNANDES e NUNO ALMEIDA

DISCIPLINA:
Boavista:
Amarelos: ROGÉRIO (24), LIBÓRIO (29) e GURI (31)
Olivais:
Amarelos: ESTRELA (34), CATURRA (36) e PINHEIRO (39)

MARCADORES:
GONÇALO (12), EDIVALDO (19), KUKES (22), ROGÉRIO (25) e NUNO ALMEIDA (28)

Comentário:
Começa a constituir tradição a emoção resultante dos jogos entre Boavisteiros e Olivais, já que habitualmente estes se transformam em espectáculos de grande emoção, luta e incerteza quanto ao vencedor até ao final dos mesmos.

Para este encontro os estados de espírito eram praticamente opostos, de um lado o Boavista, ferido pela falta de resultados e principalmente pela injustiça sentida da última jornada e do outro lado um Olivais comodamente instalado no quinto lugar.

Estes estados de espírito transformaram o jogo quase decisivo para o Boavista, sabendo que ia defrontar uma das melhores equipas do Futsal nacional, enquanto os Lisboetas se apresentaram fiéis ao seu jogo, que todos sabem ser capaz de vencer qualquer encontro, em qualquer local, seja qual for o adversário!

O público presente (em grande número) não ficou defraudado com o espectáculo que lhe proporcionaram as duas equipas.

Numa primeira fase de equilíbrio, em que imperou a táctica imposta pelos dois treinadores (dos melhores neste aspecto em Portugal) o Olivais apresentou-se com maior tempo de posse de bola no meio campo contrário, ao que respondiam os axadrezados com uma defesa consistente e saídas rápidas para o ataque.

Aos seis minutos de jogo Alex abandonou a baliza lesionado dando lugar ao jovem João Moutinho, esse facto abanou um pouco o Boavista e galvanizou o Olivais (não pela actuação do jovem, mas por saber o peso do capitão na equipa).

Os Lisboetas abriram o activo aos doze minutos e parecia que a sorte dos últimos tempos voltava a cair sobre a pantera, mas sem nunca desanimar, o Boavista foi subindo gradualmente no terreno e viria a atingir o empate no último minuto da primeira parte, não sem que antes Ramada ter evitado sobre o risco de baliza o segundo golo do Olivais.

EMOÇÃO A RODOS NA SEGUNDA PARTE

Com o início do segundo tempo Alex regressava à baliza (depois de assistido por Carlos Alberto, durante o intervalo) o que serviu como tónico e demonstração que o Boavista vinha para lutar por um resultado que muitos colocavam em causa ser possível conseguir.

O Olivais apertou um pouco mais ofensivamente fazendo Alex brilhar, mas com esta postura atacante os Lisboetas abriam o espaço e (agora sim) o Boavista contra-atacava com perigo, o jogo era aberto e emocionante e cinco minutos após o reinício, os boavisteiros conseguiam dois golos, fazendo acreditar os seus adeptos. Responderam quatro minutos após os visitantes reduzindo para a diferença mínima o resultado.

Faltavam onze minutos para o final, a incerteza no marcador, a necessidade de pontos do Boavista e orgulho do Olivais, tudo junto formaram um ingrediente que levou os espectadores a “entrar” no jogo, como nunca tínhamos visto no Viso, vibrando, aplaudindo e incentivando as panteras.

O rigor defensivo do Boavista esteve a cem por cento e nos bancos jogavam dois dos melhores tácticos do futsal de Portugal, o Olivais ganhava espaço no ataque com o Boavista aceitando e respondendo com contra ataques e uma postura defensiva rigorosa.

O jogo continuou assim até ao final, com os tripeiros levando a água ao seu moinho e conquistando três pontos, que poderão servir para dar um pontapé na “mala pata” que tem seguido a equipa.

Os resultados são sempre para aceitar, poderão lamentar-se os Lisboetas, reivindicando o direito ao empate, responderão os Portuenses que não se pode ter azar em todos os jogos...

Uma certeza fica no final do jogo, com encontros destes com emoção, luta e desportivismo o futsal irá ganhar espectadores e subir de cotação.

A arbitragem não teve tarefa fácil, com um jogo tão intenso.
Mas arrefecido o sangue todos reconhecerão que estiveram ao nível das duas equipas.
Por isso bem!
Crónica de;
Hugo Monteiro

A FIGURA DO JOGO

A figura foi colectiva!
Elegemos o público presente!

Primeiro expectante e silencioso (como habitualmente) mas depois, percebendo que a equipa precisava de si, foi interventivo criando um ambiente de emoção, unindo-se aos jogadores no sofrimento e entrega, vibrando e fazendo vibrar por cada lance disputado.

Foi a primeira vez que vimos isto no Viso!

Parabéns e continuem assim, pois desta forma também são "jogadores da equipa".

O MINUTO DO JOGO


Minuto 19.

Num ataque rápido do Olivais e depois de ladear o guardião boavisteiro, o jogador Lisboeta rematou para a baliza deserta… Golo quase feito, mas Ramada não tinha desistido do lance e num último esforço, cortava o lance sobre a linha de golo.

Trinta segundos depois, Edivaldo obtinha o empate!
Há minutos assim... que decidem a sorte de um jogo!

BOAVISTA VENCEU SL OLIVAIS

O Boavista venceu o Sl Olivais por 3 a 2 em jogo a contar para a primeira jornada da segunda volta do campeonato, ainda hoje postaremos a crónica do jogo.

CONVOCADOS PARA O JOGO COM O SL OLIVAIS

Para o importante jogo com o SL Olivais, Rui Pereira fez a seguinte convocatória:

Alex e João Moutinho (gr)
Libório
Fábio
Marau
Rogério
Ramada
Guri
Teixeira
Ferreira
Kukes
Edivaldo

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

ALEX DE PARABÉNS


O guarda-redes internacional do Nosso Clube, Alexandre Peixoto (Alex) está hoje de parabéns!

Que tenha um grande dia com todos os seus amigos e família e claro "como prenda especial de anivesrsário"

FICA OBRIGADO A VIR AO TREINO!

Parabéns Capitão.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

ALEX DE NOVO CONVOCADO PARA A SELECÇÃO NACIONAL

Alex o capitão Boavisteiro foi de novo convocado para os trabalhos da Selecção Nacional com vista aos jogos a disputar com a Bélgica.
Alex que fez parte da Selecção no Europeu (no qual não foi feliz, porque se lesionou durante os treinos) deverá ter agora oportunidade para conseguir aumentar o seu número de internacionalizações.
Parabéns ao capitão e boa sorte!

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

BOAVISTA - SL OLIVAIS

No próximo sábado no pavilhão do Viso o Boavista terá um jogo (quase decisivo, para as suas aspirações, neste campeonato) com o SL Olivais.

O jogo terá inicio pelas 16,00 horas e os Boavisteiros têm obrigação de marcar presença massiça neste necontro.

Esperamos por vós!

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

BOAVISTA 2 - SASSOEIROS 3




BOAVISTA FC 2 – SASSOEIROS 3
Intervalo 1-1
Jogo no Pavilhão do GD do Viso
Árbitros : Leandro Costa e Eduardo Coelho da A. F. Aveiro
Constituição das equipas:

BOAVISTA FC
ALEX, FERREIRA, ROGÉRIO, RAMADA, e JOÃO TEIXEIRA
Jogaram ainda:
LIBÓRIO, KUKES, GURI, e EDIVALDO

CF SASSOEIROS
CARLO, FONSECA, PEDRO CAETANO, BRUNO ALMEIDA E RÉ
Jogaram ainda:
TIAGO, DITOS,BRUNO CARDOSO E NELSON

DISCIPLINA:
Boavista:
Amarelos: FERREIRA (38)
Sassoeiros:
Amarelos: BRUNNO CARDOSO (32), FONSECA (38) e CARLO (38)

MARCADORES:
RÉ (04, 34), RAMADA (05,35), DITOS (29)

Comentário:
No final do encontro, um dirigente do Sassoeiros (ao telefone, talvez com outro dirigente) dizia feliz, “toda a sorte que nos tem faltado neste campeonato, tivemo-la hoje neste jogo”. Ao seu lado um dirigente Boavisteiro tentava perceber como se pode perder um jogo destes, dizendo para si próprio “não era o dia do Boavista”.
Falava-se de sorte e de azar… mas no futsal como em desportos colectivos, a sorte provoca-se, procura-se e por vezes temos que sofrer para a atingir, hoje passados dois dias e já mais frios todos verão as coisas com outros olhos!

DUAS EQUIPAS APOSTADAS NO JOGO

Emoção foi a rodos durante todo o encontro, principalmente na segunda parte, as duas equipas estavam interessadas no jogo, pois este tinha carácter de luta directa pala manutenção. Mais calmos os forasteiros, apostados essencialmente no empate, enquanto o Boavista apostava (era obrigado) na vitória.

Daí que a ansiedade foi mais patente nas panteras, que tomando as despesas do jogo, arriscaram o contra ataque de uma equipa matreira e preparada para nesse sistema jogar.
E aos quatro minutos tirariam disso proveito ao abrir o activo. Durou pouco esse avanço, pois no minuto seguinte o Boavista empatava.

Tudo voltava ao inicio, mas até ao intervalo pouco aconteceu, já que o Sassoeiros defendendo bem, controlava o jogo evitando a avalanche atacante que o Boavista tentava impor. O empate ao intervalo era prova disso e aceitava-se como justo.

UMA SEGUNDA PARTE A TODO VAPOR DA PANTERA SEM QUALQUER LUCRO!

No segundo tempo, desde muito cedo se viu que Rui Pereira apostava tudo na procura da vitória, apostando claramente na ofensiva e por alguns momentos, sentia que de tanto puxar o “cobertor para a cabeça” destapava um pouco os pés… mas assumi-a a necessidade de vencer, só que o tempo passava e o Sassoeiros ia resistindo, sem quase conseguir contra atacar, todos esperavam o golo do Boavista, mas ele apareceu foi na sua baliza, na transformação de um lançamento lateral…
Sorte? Azar? Ou apenas jogo?

Tudo ficou agravado, quando cinco minutos depois o Sassoeiros em jogada quase inofensiva, não desperdiçava nova oportunidade e impunha a vantagem de dois golos.

Se no golo anterior o Boavista tinha acusado o golo, perdendo algum ritmo ofensivo, neste a equipa resolveu atirar-se no tudo por tudo, Alex foi substituído por Ferreira (como guarda-redes avançado) e o domínio foi total do Boavista. Mas Ricardo Lobão tinha preparado a equipa para essa eventualidade e o Sassoeiros resistiu como pode, mas sempre concentrado e aproveitando a tal sorte do dia.

Neste período os sulistas tiveram a penas uma oportunidade de golo (bola ao poste) enquanto o Boavista via os postes devolverem bolas e Carlo defender o impossível. Ramada reduziria a quatro minutos do final e o assalto continuaria com a emoção nas bancadas e a raça e entrega dentro do recinto.

A trinta segundos do final o Boavista enviava nova bola ao poste, a dez, via Carlo defender de costa e a três segundos do final, Guri desviava de Carlo e desviava (por centímetros) do poste mas para fora!
Jogo intenso mas disputado com total respeito por todos os intervenientes numa demonstração de grande (enorme) desportivismo! Até nos jogos decisivos pode e deve haver respeito.

A arbitragem, não surpreendeu ninguém, são do melhor que existe em Portugal!
Foram iguais a si próprios!

No final do jogo lágrimas em muitos olhos! Uns de desalento, outros de alegria pela tal “sorte” misturadas com muito suor que ninguém poupou. Ao Boavista resta procurar o seu dia, a sorte também há-de aparecer!
Comentário:
Hugo Monteiro

A FIGURA DO JOGO

Carlo Cardoso!

Como é possível defender tanto?
"Levou" com a bola nas costas e caiu sobre ela na linha de golo!
Viu um seu colega “rematar à sua baliza” de cabeça a um metro da linha de golo e defendeu com… a cara!
Sorte?
Sim mas com muito valor também!
Garantiu a primeira vitória (da história) do Sassoeiros sobre o Boavista!
Dia para nunca esquecer!

O MOMENTO DO JOGO


Minuto 29.

Num lançamento lateral e aproveitando alguma desconcentração do Boavista, o Sassoeiros ganhava vantagem, contra (indiscutivelmente) a corrente do jogo.
Esse golo cortou por minutos, o folgo aos axadrezados e fez acreditar os sulistas, que passaram a ter uma almofada para arriscar mais um pouco e aliviar a pressão.

domingo, 13 de janeiro de 2008

BOAVISTA - SASSOEIROS

O resultado final foi de Boavista 2 - Sassoeiros 3.
Mais logo publicaremos a crónica deste jogo.

SORTEIO DA TAÇA DE PORTUGAL

O sorteio realizado na passada quinta-feira na sede da FPF, para a 3ª eliminatória da Taça de Portugal, teve o seguinte desfecho:
Fundação Jorge Antunes - Boavista FC
Jogo a realizar em Vizela no dia 9 de Fevereiro em hora a determinar pelo(s) clube(s) mas que deverá ser (16.00)

domingo, 6 de janeiro de 2008

BOAVISTA - SASSOEIROS



No próximo Sábado no pavilhão do GD do Viso, pelas 16,00 horas o Boavista recebe a equipa CF Sassoeiros em jogo a contar para a última jornada da 1ª volta do campeonato.
Jogo importantíssimo para o futuro da nossa equipa na prova.
Como sempre o preço dos bilhetes são acessíveis e têm os seguintes valores:
Associados do Boavista FC - 1 Euro
Associados do GD Viso - 1 Euro
Público em Geral - 5 Euros

JOGO ADIADO

O jogo com o Instituto D. João V que deveria ter-se realizado ontem (05/01/08) foi adiado adiado devido à humidade existente no pavilhão.
O encontro não chegou a iniciar-se em reunião com os delegados das equipas e equipa de arbitragem, foi acordado o seu adiamento.
Os clubes acordaram entre si (mas ainda não oficialmente) que a nova data seja a de 05 de Fevereiro (Terça-feira, de Carnaval).
O processo terá a sua evolução oficial a partir de amanhã e dessa evolução daremos conhecimento.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

PRÓXIMO JOGO NO LOURIÇAL


O Boavista vai disputar o jogo correspondente à 12ª jornada do campeonato, no pavilhão do Instituto no Louriçal.

O jogo que coloca como adversário é frente ao Instituto D. João V e tem início às 17,30 horas do próximo Sábado dia 05 de Janeiro.

ROGÉRIO GEITOEIRA DE REGRESSO


Após um castigo (no mínimo surpreendente) de quatro meses, Rogério regressa à competição oficial a partir do dia 4, podendo ser convocado para o próximo encontro, se Rui Pereira assim o entender!

É outro dos reforços de Inverno, de quem se espera muito!

Boa sorte.

EDIVALDO REGRESSOU À COMPETIÇÃO


No jogo realizado na Guarda, Edivaldo regressou à competição depois de cerca de meio ano de paragem por lesão!

Saudamos o seu regresso e desejamos-lhe felicidades pessoais e desportivas, será sem dúvida um (dos) reforços de inverno!

LAMEIRINHAS 7 - BOAVISTA 8 (gp)




A TAÇA IA TRANSBORDANDO

GDR LAMEIRINHAS 7 - BOAVISTA FC 8
Intervalo 1-0
Tempo regulamentar 2-2
Prolongamento 1-1
Grandes penalidades 5-4


Jogo no Pavilhão Municipal da Guarda
Árbitros : Fernando Serras e António Barracas da A. F. Portalegre
Constituição das equipas:

LAMEIRINHAS
LUIS CUNHA, RICARDO, CHINA, TRAITAS e PAULO FONSECA
Jogaram ainda:
CARLOS, BRUNO TORRES e PINTO

BOAVISTA FC
JOÃO MOUTINHO, FERREIRA, GURI, RAMADA, e JOÃO TEIXEIRA
Jogaram ainda:
ALEX, FÁBIO, ANDRÉ, EDIVALDO, LIBÓRIO e MARAU

DISCIPLINA:

Boavista:
Amarelos: JOÃO MOUTINHO (12 e 19) TEIXEIRA (44)
Vermelho: JOÃO MOUTINHO ( 19 acumulação)

Lameirinhas:
Amarelos: P. FONSECA (26), PINTO (31), RICARDO (35 e 41), TORRES (35) e CHINA (43)
Vermelho: RICARDO (41 acumulação)

MARCADORES:
Traitas (7), Ramada (31), Pinto (34,47), Ferreira (39) e Guri (42)

Grandes penalidades:
1-0 Traitas, 1-1 Guri,2-1 Pinto, 2-2 Edivaldo, 3-2 P. Fonseca, 3-3 Marau, 4-3 China, 4-4 Fábio, 4-5 Ramada. Falhou (remate à Barra) Bruno Torres.

Comentário:

Foi um jogo intenso, digno de uma partida de Taça - nas quais as equipas com menos "obrigações" se agigantam e fazem (como foi neste caso) as equipas primo divisionárias passar “as passas do Algarve” desta feita na cidade mais alta de Portugal.

O jogo começou com maior poder de controle pelo Boavista mas aos sete minutos, num remate em diagonal o Lameirinhas adiantava-se no marcador, fazendo vibrar os seus adeptos.
O Boavista aceitou a desvantagem e continuou a fazer o seu jogo, certo que a sua mais-valia se haveria de impor.

À medida que o tempo avançava, a confiança dos locais foi aumentando e começava a sobressair sobre todos os demais, a extraordinária exibição do seu guarda-redes que começava a dar sinais de imbatível.

No minuto dezanove o jogo como se incendiou… numa saída da área o jovem guarda-redes axadrezado cometia uma falta (que lhe valeu o segundo amarelo, este justo o primeiro não) e que originou um livre de dez metros contra o Boavista com a possibilidade de o Lameirinhas atingir a vantagem de duas bolas.

Alex entrou no jogo em momento crucial e marcou-o definitivamente, pois defendeu o respectivo livre e manteve a sua baliza inviolável nos dois minutos em se jogou em inferioridade numérica.
OLÁ RAMADA!

No segundo tempo o Boavista aumentou a pressão ofensiva mas o golo tardava em aparecer, por um lado e exibição de Luís Cunha - que defendia tudo e via por seis vezes os postes serem seus aliados – por outro lado, os nervos Boavisteiros que lhes tirava discernimento.

Tudo junto fazia vibrar um pavilhão completamente cheio e entusiasmado. Até que… aos trinta e um minutos, Ramada empatava (finalmente) a partida, diga-se que finalmente fez um jogo a lembrar o Ramada da época passada, até aqui tem andado hibernado, esperemos que fique de vez e melhore fisicamente para atingir o que já demonstrou poder fazer!

O mais difícil parecia estar feito, mas os Serranos nunca se rendem! E três minutos após… voltavam à vantagem. Tudo voltou a trás, só que agora restavam somente (para o Boavista) seis minutos para jogar. Foi lutar contra o Lameirinhas e contra o relógio e a cerca de um minuto do final Ferreira fazia novo empate levando o jogo para prolongamento, quando já se festejava nas bancadas.

O INEVITÁVEL PROLONGAMENTO

Foi a continuação do tempo regulamentar, as equipas tinham ambas cinco faltas e isso parecia vir a ser decisivo.

Beneficiou primeiro o Boavista dessa situação e aos dois minutos da primeira parte Guri dava vantagem ao transformar um livre dez metros.

Esta falta tinha originado a expulsão (por acumulação) de Ricardo, mas os locais nunca jogaram em inferioridade, pois o livre resultou em golo.

O Boavista parecia senhor do jogo, mas o Lameirinhas a dois minutos do final, adiantaram o seu guarda-redes, jogando o tudo por tudo… e, na primeira jogada, Pinto surpreende todo o mundo, pois em vez tentar conseguir espaço, para passar a bola optou por um míssil que deu novo empate.

Tudo acabava empatado e tudo foi resolvido no desempate por grandes penalidades, onde só no décimo tudo se resolveu!

Uma dupla de arbitragem, com dois estilos de dirigir o jogo, Fernando Serras mais experiente e António Barracas com mais sangue na guelra, provocaram uma exibição que por vezes pareceu desequilibrada aos olhos dos espectadores, mas a verdade é que num jogo tão intenso com vinte e uma faltas, onde todos centímetros do terreno (com grande acumulação de jogadores) eram discutidos freneticamente…

Os árbitros ouviram muitos protestos, mas... talvez sem qualquer razão! Foram vítimas desta maneira intensa de se viverem os jogos da taça! Com o tempo e (porque são uma dupla nova) irão uniformizar mais os dois estilos e subirão de forma.

Ninguém duvide foi simplesmente arrasante!

Crónica de:
Hugo Monteiro

A FIGURA DO JOGO


Luís Cunha!
Defendeu o que tinha defesa e o que não tinha, acabou exausto e triste por não defender nenhum penalti.
Mas tal não era preciso, o seu valor ficou demonstrado nos cinquenta minutos em que chegou a ser gigante e mesmo quando viu a bola bater nos seus postes, chegou a dar a sensação que tal mereceu.

O MOMENTO DO JOGO


Tão intenso, tanta luta, tantos momentos de jogo para considerar o mais importante…

A entrada de Alex, nos dois minutos em inferioridade numérica do Boavista?
O empate de Ferreira a um minuto do final do tempo regulamentar?
O empate de Pinto a um minuto do final do prolongamento?
A bola na barra no quinto penalti do Lameirinhas?
A transformação do quinto penalti por Ramada, que dá a vitória?
Confusos?
Pois o momento do jogo talvez tenha acontecido com o mesmo parado, quando a equipa do Boavista se preparava para a marcação das grandes penalidades e acusava algum desânimo. Alex abanou todo o pavilhão ao provocar os seus jogadores.
Já perdemos? Gritou… então se não perdemos vamos lá ganhar isto
!